A produção nacional do A3 Sedan trouxe perdas e ganhos. O ganho foi a nacionalização, mas que não significou que as quatro argolas ficassem mais baratas, mas não deixa de ser um bom argumento no momento da revenda. No entanto, a principal perda foi o abandono da transmissão de dupla embreagem e sete marchas por um conjunto automático de seis marcas e conversor de torque. 

Não que seja uma caixa ruim, longe disso, mas não é tão rápida e uma marcha a mais nunca é demais. Outra perda foi a substituição da suspensão independente na traseira por um eixo rígido, como se ele fosse um carro popular. 

No entanto, na versão Ambition 2.0, suspensão e caixa de marchas não foram penalizadas. A opção poderia ser chamada de um Golf GTI com carroceria. Ambos dividem linha de montagem em São José dos Pinhais (PR) e compartilham motor (turbo 2.0 de 220 cv), transmissão e suspensão.

Virtual Cockpit
Um dos destaques do sedã é o Virtual Cockpit, que nada mais é que o quadro de instrumentos totalmente digital e que permite diversas configurações. O equipamento estreou na marca em 2015, com a atual geração do TT e se espalhou para o restante da gama. No A3 Sedan Ambition é oferecido como opcional. Seu grande barato é ter o navegador GPS diante dos olhos. Quem quiser ter a leitura convencional pode optar por manter conta-giros e velocímetro “analógicos” e abrir o mapa na tela retrátil do console central.

Ele ainda pode ser combinado com ar-condicionado digital, direção elétrica, controle de cruzeiro adaptativo, assistente de estacionamento, câmera de ré e teto panorâmico.
 

Raio-X Audi A3 Sedan Ambition 2.0

O que é?
Sedã compacto, quatro portas e cinco lugares.

Onde é feito?
Fabricado na planta de São José dos Pinhais (PR).

Quanto custa?
Entrada: R$ 156.190
Completo: R$ 187.690

Com quem concorre
O adversário nato da versão é o Mercedes-Benz CLA 200 (R$ 172.900). 

No dia a dia
O A3 Sedan é um automóvel irreparável. Tem construção, montagem e acabamento memoráveis. Completíssimo, e oferece todo tipo de comodidade a motorista e passageiros. No entanto, é bom frisar que se trata de um automóvel pensado para quatro ocupantes. Com o quinto a bordo, a turma no banco de trás viaja espremida. Por outro lado, o porta-malas é imenso. São generosos 425 litros.

O seletor de condução (com modos eficiente, conforto, dinâmico, automático e individual) permite mudar a índole do carro, que pode se comportar como um esportivo arisco ou um automóvel familiar pacato.

Motor e transmissão
O motor FSI 2.0 turbo é extremamente vigoroso. A unidade que equipa os primos da VW como Fusca, Jetta, Tiguan, tem a mesma calibragem do Golf GTI e desenvolve 220 cv e 35 mkfg de torque, estes disponíveis a partir de 1.500 rpm. Ou seja, as respostas são proporcionais à força aplicada no pedal direito.

Já a caixa de dupla embreagem e seis marchas tem trocas muito rápidas, mesmo com a ausência da sétima mais longa, a performance e eficiência impressionam.

Como bebe?
A versão só pode ser abastecida com gasolina. A média no percurso combinado entre urbano e rodoviário foi de 11,2 km/l.

Suspensão e freios
A suspensão da versão segue o mesmo padrão de quando o sedã era importado da Europa. Ou seja, independente nas quatro rodas e com acerto firme que garante excelente estabilidade, mas sem transmitir impactos para a cabine. Já os freios utilizam discos nas quatro rodas e contam com distribuição de carga, assistente de partida em rampa (Hill Holder) e freio automático, que aciona quando o carro para e se solta ao tocar no acelerador. 

Pontos positivos
Performance
Consumo
Suspensão

Pontos negativos
Preço
Espaço para quem viaja atrás