Vinte e seis municípios mineiros têm potencial imediato para a instalação de hotéis. Alguns empreendimentos saíram do papel e estão em fase de execução. Outros, após a realização do estudo de viabilidade e o mapeamento dos terrenos, aguardam o licenciamento para início das obras.

Segundo Maarten Van Sluys, consultor de novos projetos de hotéis executivos, a interio-rização dos investimentos no Estado é natural, tendo em vista a expansão que o setor experimenta na capital e região metropolitana.

Representantes das principais redes com atuação em Minas Gerais participaram ontem, em Belo Horizonte, do 7º Encontro da Hotelaria Mineira, no Centro de Convenções da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL).

Instalações

A demanda reprimida por hospedagem fica evidente quando, em viagens de negócios ou entretenimento, o viajante tem que se sujeitar a instalações duvidosas, geralmente em prédios antigos, pequenos e de administração familiar.

Entre os municípios escolhidos para receber os novos investimentos estão Sete Lagoas, Conceição do Mato Dentro e Itabira, na região Central, Montes Claros, Manhuaçu e Teófilo Otoni, no Norte, Conselheiro Lafaiete, Ubá e Juiz de Fora, na Zona da Mata.

Atualmente, dos 56 projetos aprovados para aumentar o número de leitos hoteleiros na capital e região metropolitana até a Copa 2014, 31 estão sendo executados.

Nível de Ocupação

Calculados em R$ 1 bilhão, os investimentos, que visam atender às exigências da Federação Internacional do Futebol (FIFA) para a realização da Copa de 2014 no Brasil, contemplarão cinco hotéis padrão cinco estrelas, 10 com padrão quatro estrelas e o restante no padrão econômico.

Com foco no turismo de eventos e negócios, a rede hoteleira da capital, de acordo com Rafaela Fagundes Vale, presidente da ABIH, seção Minas Gerais, desfruta de uma taxa de ocupação que varia de 60% a 70% durante a semana. “Trabalhamos na perspectiva de melhorar o nível de ocupação após a realização da Copa, disponibilizando espaços mais adequados para a realização de eventos, a vocação da cidade”, afirmou Rafaela.

Além do Centro de Convenção de Belo Horizonte, de padrão internacional, que será erguido próximo ao Minas Shopping, com capacidade para receber 10 mil pessoas, os setores hoteleiro e de eventos serão beneficiados com a construção de espaços menores, com capacidade para receber entre 100 a 500 pessoas em encontros de negócios em quase todas as unidades que estão em construção.

Leia mais na versão digital do Hoje em Dia