Dois presos que faziam parte do Primeiro Comando da Capital (PCC) foram mortos na Penitenciária Estadual Rogério Coutinho Madruga, no Complexo Prisional de Alcaçuz, na região metropolitana de Natal. Os corpos de Lázaro Luís de França Ferreira, 34 anos, conhecido como "Nego Lázaro", e Shakespeare Costa de França, 24 anos, chamado de "Sheik", estavam amarrados pelos pescoços com lençóis às grades de uma cela. Eles foram encontrados por agentes penitenciários na noite desse domingo, 25.

A investigação da Polícia Civil seguirá duas linhas: sobre uma disputa interna pela liderança do PCC no Rio Grande do Norte e sobre suposta saída dos dois presos assassinados da facção e fundação de outra, identificada como Legião do Norte. Não se sabe, por enquanto, se as mortes em Alcaçuz têm ligação com o crime do início do mês no Ceará - o assassinato de Rogério Jeremias de Simone, o Gegê do Mangue, e Fabiano Alves de Souza, o Paca, líderes do PCC, numa emboscada.

Os detentos respondiam por tráfico de drogas, homicídio, assalto, porte ilegal de armas e eram considerados de alta periculosidade. Dois dos outros dez presos que dividiam a cela com as vítimas assumiram a autoria das mortes, segundo o delegado Eloy Xavier.

Leia mais:
Na maior fuga da história do RN, 91 presos escapam de cadeia em Parnamirim
Três meses depois de massacre em presídio do RN, corpos e cabeças aguardam DNA
Um mês após rebelião em Alcaçuz, governo não sabe quantos fugiram ou morreram