Recordista de indicações deste ano, no Globo de Ouro, La La Land recebeu as sete estatuetas a que concorria, inclusive melhor filme de musical ou comédia, diretor (Damien Chazelle), ator (Ryan Gosling) e atriz (Emma Stone). Mesmo que o prêmio não seja mais um indicador seguro do Oscar - os troféus dos sindicatos são apostas mais promissoras -, você pode ficar certo de que La La Land terá muitas indicações para o prêmio da Academia e, eventualmente, pode até vencer. Hollywood adora musicais.

Leia também
'La La Land' tem 11 indicações ao BAFTA, prêmio mais importante do Reino Unido
Globo de Ouro 2017 celebra a diversidade; 'La La Land' leva prêmios principais

Enquanto o Oscar não chega, La La Land já lidera, com 11 indicações, a corrida pelo Bafta, o prêmio da Academia inglesa. O anúncio foi feito nesta quarta, 11. Com o subtítulo, no Brasil, de Cantando Estações, La La Land estreia somente dia 19, mas, a partir desta quinta, 12, terá pré-estreias diárias. Não será um circuito tão grande como as 700 salas que vão exibir Os Penetras 2, de Andrucha Waddington, mas você pode anotar que a corrida aos cinemas será grande. Globo de Ouro, Oscar. Esses prêmios são poderosos chamarizes de público. E La La Land é muito, muito bom. O curioso é que, apesar das múltiplas referências a Vincente Minnelli e Bob Fosse, a matriz do musical de Damien Chazelle é europeia - Jacques Demy. Jacques quem? Você sabe. Há um culto a Jacques Demy e a filmes como Os Guarda-Chuvas do Amor e Duas Garotas Românticas. Nos anos 1960, muitos críticos chamavam o lirismo de Demy de mentiroso. Chegaram a transformá-lo num ‘caso’ para justificar a decadência da nouvelle vague, o movimento de renovação do cinema francês da época.

Lirismo mentiroso? Com canto, dança e estrutura de melodrama, Os Guarda-Chuvas do Amor não é só inovador quanto à forma. É um dos filmes mais duros feitos na França pós-Guerra da Argélia e um dos raríssimos, no calor da hora, a abordar o tema quase sempre escamoteado pelos demais autores da nova onda. Demy é a matriz de Chazelle, o diretor de Whiplash, que no Brasil, só para lembrar, ganhou um acréscimo ao título - A Busca da Perfeição. É o tema embutido em La La Land. A história de um casal. Ryan Gosling quer ter seu clube de jazz, Emma Stone quer ser atriz. Eles conseguem, mas... Olha o spoiler. A vida é imperfeita, só a arte é perfeita para realizar aquilo que a realidade inviabiliza. Nesse choque entre arte e vida, entre o que se sonha e o que se adquire, há uma tristeza profunda na essência de La La Land. Mas o filme é belo. Como os musicais de Demy.


As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.