O juiz Jorge Paulo dos Santos obrigou, por meio de liminar, o vereador Jair di Gregório (PP) a retirar das redes sociais o vídeo “Aberração aqui não Juca Ferreira: BH não é lixo”. Na peça, o político da capital tece críticas à exposição “Faça você mesmo a sua Capela Sistina”, de Pedro Moraleida, em cartaz no Palácio das Artes, e ao secretário municipal de Cultura, Juca Ferreira.

Caso o vereador de Belo Horizonte não retire o vídeo do ar em 24 horas, ele deverá pagar multa diária de R$ 1.000. Segundo o magistrado, Jair di Gregório induz a uma informação errada ao dizer que teria sido o secretário Juca Ferreira quem trouxe para a capital mineira a polêmica mostra. Na verdade, a exposição foi realizada pela Fundação Clóvis Salgado, um órgão estadual.

“Não se busca o controle da informação, muito menos tecer considerações sobre a exposição levada a efeito pelo Palácio das Artes, mas ressaltar apenas que a informação que merece proteção é a verdadeira. O vídeo postado pelo réu indicia que tenha a parte incorrido em possível negligência na apuração dos fatos, repercutindo negativamente na figura pública do autor, colocando em risco a sua imagem, enquanto gestor”, explica o juiz na sentença.

Este é mais um capítulo que envolve as postagens do vereador nas redes sociais. A secretaria Municipal de Educação, Ângela Imaculada Loureiro de Freitas Dalben, encaminhou nesta segunda-feira (9), à Câmara Municipal de Belo Horizonte, um ofício exigindo providências contra o vereador.

Em questão está um vídeo divulgado por Jair em que é sugerido que uma professora e alunos de uma escola municipal da capital teriam visitado a exposição, que tem classificação indicativa para maiores de 18 anos. A professora explicou que, na verdade, a turma teria ido ao Palácio das Artes para assistir a filmes do festival FestCurtas, que estava sendo apresentado no Cine Humberto Mauro.

Sem solução

Juca Ferreira afirma, que só moveu o processo, porque não viu outra solução para o caso. “Infelizmente eu tive que recorrer à justiça. Esse senhor passou uma semana me caluniando e me difamando, falando que eu estava promovendo a pedofilia”, diz.

“E ele fez conscientemente (a associação entre o secretário e a exposição). Há gravações de colegas vereadores apontando que a prefeitura de Belo Horizonte não tem nada a ver com a exposição”, prossegue.

Juca ainda chama Jair di Gregório de “mentiroso contumaz”, devido ao fato de o vereador ter também relacionado a visita da turma de alunos da rede municipal à mostra de Moraleida.

“Ele, num esforço demagógico, fez um carnaval em que não respeitou nem a PBH, nem o secretário, nem as crianças, nem a professora. Até para fazer demagogia tem que ter competência. É triste que isso aconteça em uma cidade  como Belo Horizonte, com civilidade e forte relação com a arte”, declara.

Procurado pela reportagem, Jair de Gregório afirmou, em nota divulgada às 17h30, que até aquele momento não havia sido notificado pela Justiça. “Ordem judicial é para ser cumprida. Assim que for notificado, vou acionar minha assessoria jurídica para tomar providências”, disse o parlamentar.

Leia mais:
Vereador é denunciado por divulgar imagens de alunos e professora sem autorização em vídeo polêmico
Secretária de Educação quer Jair Di Gregório investigado
Prefeito Alexandre Kalil defende exposição polêmica durante visita ao Palácio das Artes