Ainda é mistério os nomes de todos os integrantes da lista que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) com 83 pedidos de abertura de investigação contra citados nas delações de ex-diretores da empreiteira Odebrecht. Os pedidos foram remetidos à Corte sob sigilo, e os nomes dos citados não foram divulgados oficialmente.

No entanto, já sabe-se que ao menos cinco ministros dos 29 ministérios do governo de Michel Temer (PMDB) estão no "bolo". Os ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Dilma Rousseff (PT) também aparecem entre os 211 casos que serão distribuídos para instâncias comuns (sem foro).

Os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB), além dos senadores Edison Lobão (PMDB), Romero Jucá (PMDB), Aécio Neves (PSDB) e José Serra (PSDB), também estão entre os alvos dos 83 inquéritos cuja abertura foi pedida pelo PGR.

No STF, a decisão pela abertura de inquérito ou não caberá ao ministro Edson Fachin, relator da "Lava Jato" na Corte.

Veja a lista completa com os nomes já divulgados pela imprensa:

1. Luiz Inácio Lula da Silva (PT)
2. Dilma Rousseff (PT)
3. Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara
4. Eunicio Oliveira (PMDB-CE), presidente do Senado
5. Senador Aécio Neves (PSDB/MG)
6. Senador José Serra (PSDB/SP).
7. Senador Romero Jucá (PMDB/RR)
8. Senador Renan Calheiros (PMDB/AL)
9. Edison Lobão (PMDB/MA)
10. Ministro Eliseu Padilha
11. Ministro Moreira Franco
12. Ministro Aloysio Nunes
13. Ministro Gilberto Kassab
14. Ministro Bruno Araújo
15. Ex-ministro Guido Mantega
16. Ex-ministro Antonio Palocci.

(*) Com agências

Leia mais:
Lista de Janot cita cinco ministros, Dilma, Lula, Aécio e presidentes da Câmara e Senado