O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, considerou "deplorável" o comunicado emitido pela União Europeia (UE) em relação ao atentado que sofreu, quando dois drones explodiram em um ato público que liderava e do qual saiu ileso.

"Verdadeiramente é deplorável o comunicado da União Europeia, protegendo terroristas, no seu comunicado protegem terroristas, no seu comunicado não são capazes de condenar o atentado que tinha como objetivo assassinar o presidente deste país", disse Maduro referindo-se ao documento emitido há dois dias.

Na nota, a União Europeia pede que seja feita "uma investigação exaustiva e transparente" sobre o incidente ocorrido no último dia 4 "a fim de esclarecer os fatos, em pleno respeito do Estado de direito e dos direitos humanos". Maduro questionou esta resposta pois, alertou, o atentado "poderia ter atingido o assassinato em massa das mais altas autoridades militares e civis". 

Grupo de Lima
Nesse sábado (11) o Brasil e mais 11 nações que compõem o Grupo de Lima  (Argentina, Canadá, Colômbia, Costa Rica, Chile, Guatemala, Guiana, Honduras, México, Panamá, Paraguai e Peru) condenaram a repressão e a perseguição política na Venezuela.

O grupo apela para o respeito à democracia e aos direitos humanos, a libertação de presos políticos e a busca por solução interna para crise que se passa no país. Também sugere a realização de “eleições livres, democráticas e transparentes”.