Holding de empresas do setor cafeeiro, com faturamento previsto de R$ 2 bilhões neste ano, crescimento de 20% na comparação com 2015, o grupo Montesanto Tavares fincou os pés na Europa com a inauguração do escritório na Suíça. Por meio da trading Ally Coffee, a companhia, já presente nos Estados Unidos, espera abrir mercado para produtores de cafés especiais interessados em exportar.

Segundo o presidente da empresa, o mineiro Ricardo Tavares, o principal objetivo de ter um endereço no mercado europeu é mostrar que o Brasil tem café de excelente qualidade.

“Apesar de maior produtor mundial, o país não era especialista em grãos nobres. Mas os produtores perceberam que os cafés especiais têm ganhado força, já que cada vez mais o consumidor busca produtos diferenciados”, diz. De acordo com a Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA), o segmento cresce cerca de 15% ao ano. No caso do produto tradicional, o crescimento não chega a 3%.

Conhecido como empresário bem-sucedido em suas empreitadas – deu musculatura ao Café 3 Corações e foi fundador da Sucos Mais –, Tavares diz que o sobrepreço para cafés especiais varia entre 30% e 40% em relação ao cultivado de modo convencional. Em alguns casos, pode ultrapassar os 100%.

Escala

Para ser considerado especial, numa escala de qualidade que vai de zero a cem pontos, o grão deve ter nota acima de 80. “Os atributos de qualidade consideram características físicas, como origem, variedades, cor e tamanho, e preocupações ambientais e sociais, como sistemas de produção e condições de trabalho da mão de obra cafeeira. Queremos desenvolver novos fornecedores, estimulando novos produtores de cafés especiais”, ressalta o executivo.

Outra novidade no segmento de grãos para a exportação é que a empresa será a primeira do mundo a utilizar a “QualiPak”, embalagem capaz de preservar o sabor, o aroma, o frescor, a qualidade e a cor do produto. A inovação foi apresentada ao mercado internacional na 28ª exposição da “Specialty Coffee Association of America”, realizada nessa semana em Atlanta, nos EUA.

A nova embalagem foi desenvolvida pela Videplast, empresa brasileira de embalagens plásticas flexíveis, em parceria com a Universidade Federal de Lavras (Ufla).