Depois da corrida de motos da Isle de Man, a prova de subida de montanha de Pikes Peak, no Colorado, é um dos desafios mais irracionais do esporte a motor. Trata-se de uma tração de aproximadamente 20 quilômetros que serpenteia montanha acima numa estrada estreita repleta de “grampos” e ventos que literalmente já carregaram pilotos.

A corrida é disputada desde 1916. No atual traçado, o recorde da prova até o fim de semana passada cabia ao nove vezes campeão do mundial de rali (WRC), o francês Sebastien Loeb, com tempo de 8m13s, obtido em 2013 a bordo do Peugeot 208 T16 Pikes Peak. De lá para cá, seu conterrâneo Romain Dumas vem baixando seus tempos até cravar incríveis 7m57s a bordo do protótipo Volkswagen I.D. R, no último dia 24 de junho.

O I.D. R Pikes Peak faz parte do projeto de automóveis elétricos da Volks e foi desenvolvido exclusivamente para a prova norte-americana. Dotado de dois motores, montados um em cada eixo, eles debitam potência de 680 cv. Os propulsores são alimentados por dois conjuntos de baterias instaladas entre os eixos. 

Para conseguir baixar o tempo para menos de oito minutos, o bólido correu na categoria Unlimited (Ilimitada), sem restrições. Com uma carroceria extremamente leve, os motores não tiveram dificuldade em oferecer força para que Dumas acelerasse forte no Colorado. As grandes asas montadas nas partes frontal e traseira do carro garantiram efeito solo que mantiveram o I.D. R grudado no chão, tal como uma distribuição perfeita de peso e de torque, que fizeram com que o carro se mantivesse estável, como se estivesse sobre trilhos.

Fôlego
Ao contrário do Peugeot de Loeb, que era equipado com motor a combustão, as unidades elétricas do protótipo da VW levam vantagem pois não sofrem com os impactos do ar rarefeito na altitude, que literalmente retiram o “fôlego” dos motores convencionais. Outro recurso que Loeb não tinha em 2013 era o sistema de regeneração de carga das baterias pelo uso dos freios, que garantiram 20% de energia extra.

Além de quebrar o recorde da prova, os engenheiros da Volkswagen garantem que a experiência contribuirá para o desenvolvimento dos modelos de produção da família I.D.

“Fizemos algumas descobertas fundamentais quanto à energia e ao gerenciamento de carga que certamente irão influenciar no desenvolvimento dos veículos I.D. de produção”, explica o consultor da Volkswagen MotorsportWilly Rampf.