O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, seccional do Maranhão (OAB-MA), Mário Macieira, informou nesta terça-feira (9), que protocolou no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) uma representação contra o juiz Marcelo Testa Baldochi, que deu voz de prisão a três funcionários da TAM em Imperatriz, após perder um voo porque havia chegado atrasado.

De acordo com Macieira, o histórico de Baldochi não é dos melhores e já há uma série de denúncias por parte de advogados da subseção de Imperatriz em relação à postura autoritária do magistrado. "A OAB está tomando essa decisão, pois acredita que a postura do juiz Marcelo não corresponde com o cargo que ele ocupa e também por conta de uma série de reclamações que já foram feitas contra ele. Segundo advogados da região de Imperatriz, o magistrado é sempre autoritário em seu tratamento com os demais", revelou o presidente da OAB-MA.

Macieira destacou que todo usuário do sistema de transporte aéreo no Brasil sabe que é necessário fazer o check in - até pelo celular - uma hora antes do voo. Por isso, ele acredita que houve exagero na postura de Baldochi.

O presidente da OAB-MA não soube precisar qual a punição que o titular da comarca de Senador La Rocque pode sofrer e disse que deixa a cargo do CNJ a apreciação do protocolo.

Expulsão

Na manhã desta terça-feira, o presidente da Associação dos Magistrados do Maranhão (AMMA), Gervásio Santos, afirmou que Baldochi "é o único associado nos 45 anos de história da Associação dos Magistrados do Maranhão que foi excluído dos seus quadros sociais, há cerca de cinco anos".

E continuou: "Defender a Magistratura neste episódio é defender a apuração dos fatos (destes e das demais representações pendentes) com isenção, afinal, a Magistratura é uma classe composta por homens e mulheres honestos, trabalhadores e comprometidos com a árdua tarefa de distribuir Justiça".