Melhorias na forma de negociação das dívidas dos produtores rurais da região atendida pela Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) foi tema de encontro de representantes da Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária (CNA) com o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE).

No encontro de ontem, deputados, senadores e os vice-presidentes da CNA Mário Borba e Flávio Saboya pediram um aprimoramento da resolução do Banco Central (BC) que permite que os produtores rurais renegociem as dívidas.

Mario Borba ressaltou no encontro que, atualmente, quem prorroga o pagamento da dívida fica impedido de contratar novos empréstimos. Segundo ele, isso seria um problema, na medida em que boa parte dos produtores depende de empréstimos para retomar a produção e pagar as dívidas.

Outro questionamento em relação à resolução do BC é a exigência de apresentação de laudo técnico, por parte dos produtores rurais, para que eles comprovem perdas de produção. O laudo é requerido mesmo quando os municípios onde as propriedades estão localizadas decretam situação de emergência por causa da seca.

Para a deputada federal Raquel Muniz (PSD-MG), única representante de Minas do encontro, o presidente do Senado se mostrou solícito às demandas.

“É uma reivindicação justa. O agronegócio é a atividade que tem segurando o país financeiramente nesse quadro de dificuldade que estamos enfrentando. Nesse sentido, os estados do semiárido têm que ser tratados com mais atenção”, disse.

Raquel Muniz reforça que produtores de outras regiões do país têm estímulos para conseguir fazer três culturas por ano. “Queremos ter condições para isso também. Não estamos pedindo o perdão, mas que o produtor possa renegociar e pagar para produzir ainda mais”, pontua.