Personalidades como Leandra Leal, Adriane Galisteu e Samara Felippo manifestaram indignação com a decisão do juiz José Eugenio do Amaral Souza Neto, que liberou o homem que ejaculou em uma passageira de ônibus na última terça-feira, 29, na Avenida Paulista.

Mesmo com a prisão em flagrante e outras 14 passagens semelhantes na polícia, registradas nos últimos oito anos, o ajudante de serviços gerais Diego Ferreira de Novais, de 27 anos, foi liberado um dia depois do ocorrido. Uma das vítimas foi assediada em março e relatou o caso ao jornal O Estado de S. Paulo.

Segundo o magistrado, o ato não configura crime de estupro, mas uma importunação ofensiva ao pudor, ou seja, uma contravenção penal, que tem gravidade mais leve.

No Instagram, Adriane Galisteu divulgou uma imagem com a decisão do juiz e manifestou vergonha e constrangimento pela determinação. "Em nome de todas as mulheres, não venha com desculpas ou explicação (até porque não tem), nós queremos ação!", escreveu.

Com a mesma imagem com a decisão de Souza Neto, Leandra Leal fez um questionamento: "Se isso não configura violência sexual, o que configuraria?"

A atriz Samara Felippo compartilhou um texto que critica a forma como o País e a Justiça consideram casos específicos. Fernanda Souza, com o mesmo texto, disse que "há constrangimento e outras coisas" na decisão.