A diretora comercial da H.Stern, Maria Luiza Trotta, fechou na manhã desta sexta-feira, 17, um acordo de colaboração premiada no âmbito da Operação Calicute, desdobramento da "Lava Jato" no Rio, que prendeu no ano passado o ex-governador do Rio Sérgio Cabral, sua mulher Adriana Ancelmo, entre outros investigados.

O depoimento ao Ministério Público Federal (MPF) foi feito na noite de quinta-feira, 16. Inicialmente, Maria Luiza tinha sido convocada no processo como testemunha e seria ouvida na última quarta-feira, dia 15. A executiva não compareceu à audiência e, segundo o MPF, seria transformada de testemunha em acusada.

Maria Luiza será ouvida nesta tarde, decidiu o juiz Marcelo Bretas, titular da 7.ª Vara Federal Criminal, apesar de os advogados da defesa de Adriana Ancelmo e Cabral terem sido contrários a isso. "Há um desequilíbrio latente. A defesa não sabe o que ela vai falar e o MPF sim", disse a defesa da mulher de Cabral.

Leia mais:
Cabral fez reunião dentro de casa para exigir propina, diz delator
Rio deve receber R$ 270 milhões do esquema de Cabral
Sérgio Cabral pediu R$ 30 milhões, afirma delator a Moro