No longo interrogatório a que foi submetido pelo juiz federal Sérgio Moro, na quarta-feira, dia 10, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva - réu em ação penal por corrupção e lavagem de dinheiro no caso tríplex -, fez palanque eleitoral em alguns momentos, como se em campanha estivesse, e também se queixou da fragilidade que cerca quem um dia ocupou a cadeira do poder, como ele próprio em oito anos (2003/2010).

"O ex-presidente vale tanto quanto um vaso chinês", disse Lula ao se queixar ao juiz da Lava Jato que não foi convidado nem para a inauguração da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, nem para a Copa do Mundo 2014 e nem para a abertura das Olimpíadas 2016.

"O vaso é um vaso bonito que você ganha quando é presidente", disse. "Quando você deixa a Presidência, você não tem onde colocá-lo. Você não sabe onde colocar o vaso chinês", afirmou Lula.


Leia também:
Com acordo de delação, marqueteiro e mulher ‘perdem’ R$ 74 mi
Fachin manda investigação sobre campanhas de Dilma e Lula a Moro
Dilma conspirou contra Lava Jato, dizem marqueteiros
'Eu não tenho influência no PT', afirmou Lula a Moro; veja vídeo completo do depoimento