O líder do governo no Senado, Aloysio Nunes (PSDB-SP), afirmou que o presidente em exercício, Michel Temer, não é contrário ao projeto que amplia o Supersimples, sistema diferenciado de tributação para micro e pequenas empresas.

"O governo admite uma perda de arrecadação, mas isso pode ser compensado com a dinamização da economia e criação de empregos", disse Aloysio. O governo calcula perda de R$ 2,4 bilhões em arrecadação em 2017.

Segundo Aloysio, o projeto já foi objeto de análise do governo e não há qualquer resistência. Durante a reunião de líderes do Senado nesta manhã, ficaram postas algumas divergências que devem ser votadas separadamente em destaque, mas o líder do governo confirma que haverá votação nesta tarde.

O assunto foi tratado em reunião com Michel Temer em jantar que reuniu parlamentares ontem no Palácio do Jaburu. O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), que tem defendido o projeto, argumentou que a ideia geral da proposta é dinamizar a economia.

Leia mais:
Comissão aprova alterações na Lei do Supersimples
Projeto pode incluir 447 mil empresas no Supersimples
Câmara aprova emenda que amplia o Supersimples a arquitetos, engenheiros e produtores de cerveja