O Ministério Público Eleitoral (MPE) decidiu investigar o pagamento milionário de uma candidata do PT a deputada estadual nas eleições de 2014, à empresa Gráfica e Editora Brasil Ltda. Em outra frente, o Tribunal Regional Eleitoral de Minas (TRE-MG) pretende notificar Helena Ventura ainda nesta semana sobre os R$ 36 milhões pagos em seu nome, por meio do fundo partidário, à empresa de Benedito Rodrigues de Oliveira Neto, o Bené, investigado pela polícia por suspeita de desviar dinheiro público para campanhas petistas.


“Os fatos são seríssimos. Já solicitei à minha equipe que faça um levantamento do processo de prestação de contas dessa senhora (Helena Ventura). Aguardo elementos indiciários colhidos na operação Acrônimo (da Polícia Federal, cujo alvo principal é Bené), também solicitados”, afirmou o procurador regional eleitoral do Estado, Patrick Salgado.


Menos de uma semana após a PF realizar uma operação na qual Bené foi preso, Helena Ventura foi alçada do anonimato a relevante personagem da investigação. Segundo registros do TRE-MG, a técnica em enfermagem de 61 anos realizou um pagamento de R$ 36 milhões à Gráfica Brasil por, oficialmente, publicidade em materiais impressos.


“Tive realmente alguns santinhos e banners, mas nunca procurei essa gráfica, nem sei quem é esse senhor (Bené). Todo o material foi providenciado por um assessor da campanha de Fernando Pimentel”, afirmou ao Hoje em Dia a enfermeira. “Se eu tivesse esse dinheiro, teria sido eleita com certeza. Nem precisava disso tudo, era eleita com R$ 1 milhão”.


Helena Ventura não teve a candidatura aprovada pelo TRE-MG. É que a petista se candidatou a vereadora em 2012, quando recebeu 29 votos, e não prestou contas da campanha.


Multa


Apesar do pagamento de R$ 36 milhões, Helena Ventura declarou ter recebido durante a campanha do ano passado R$ 26 mil. Identificada a incoerência, o TRE-MG tentou notificar a técnica em enfermagem no mês passado. No entanto, ninguém foi encontrado na residência registrada por ela no tribunal.


Após a repercussão do caso, Helena Ventura foi pessoalmente ao TRE-MG na segunda-feira (8) corrigir o endereço. O tribunal, então, notificou o cartório de Betim, cidade onde a técnica em enfermagem mora, para que um oficial a notifique , o que deve ocorrer ainda nesta semana.


Se ela novamente não apresentar justificativa para o pagamento ou a explicação não for aceita pelo TRE-MG, Helena Ventura pode receber uma multa igualmente milionária. A sanção mais extrema a que a técnica em enfermagem pode ser submetida é multa de cinco vezes o valor da irregularidade – o equivalente a R$ 180 milhões.


Ministro da Justiça condena pré-julgamento da 1ª dama


O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, falou sobre a investigação da Polícia Federal sobre Bené em visita a Belo Horizonte na tarde dessa quarta (10). Cardozo condenou o pré-julgamento durante o trabalho de apuração, apesar de alegar que prefere não comentar investigações. “Nós temos o terrível hábito, às vezes, de condenar as pessoas quando está em curso uma investigação. Investigação é aquilo que se faz quando você não tem prova definida para culpabilidade, quando você ainda não tem decisão condenatória”.


Questionado sobre a alegação de inocência por parte da defesa da primeira-dama mineira, Carolina de Oliveira, Cardozo falou em possíveis equívocos. Ela é investigada por lavagem de dinheiro. “Investigações existem, têm acertos, têm erros e, por isso, que existe o direito de defesa. O que eu vou dizer é o seguinte: havendo em qualquer investigação equívocos, eles serão corrigidos”.


O ministro esteve em BH para assinatura de um termo de transferência da União para o Estado de equipamentos de segurança que somam mais de R$ 61 milhões.


Além do encontro com Cardozo, o governador Fernando Pimentel se reuniu a portas fechadas com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot. O motivo da reunião não foi informado pela assessoria de imprensa.


“Assim que definirmos as providência legais a serem tomadas comunicarei a sociedade, em respeito ao dever legal de publicidade de nossa atuação” Patrick Salgado Martins - Procurador regional eleitoral

 98% dos R$ 36,8 milhões recebidos pela empresa Gráfica e Editora Brasil nas eleições 2014 vieram de Helena Ventura