O operador de propinas do PMDB na Diretoria de Internacional da Petrobras Fernando Antônio Falcão Soares, o Fernando Baiano, esteve 72 vezes na sede da estatal, no Rio, entre 2004 e 2008 visitando o ex-diretor da área Nestor Cerveró.

É o que mostra relatório final de uma auditoria que analisou o contrato de dois navios sondas, no valor total de US$ 1,2 bilhão, entre 2006 e 2007, que teriam envolvido o pagamento de US$ 30 milhões em propinas.

"De acordo com o levantamento feito, as visitas de Fernando Antônio Falcão Soares ao Diretor Cerveró somaram 72 vezes, de fevereiro de 2004 a janeiro de 2008, enquanto o Júlio Camargo foi recebido pelo Diretor 18 vezes, entre junho de 2005 e janeiro de 2008", informa relatório interno da Petrobras, anexados aos autos da Lava Jato nesta segunda-feira, 18.

Cerveró é acusado de ser o braço do PMDB no esquema de corrupção na Petrobras. Segundo as denúncias, PT, PMDB e PP loteavam diretorias na estatal, por meio das quais arrecadavam de 1% a 5% nos contratos feitos com um cartel formado pelas 16 maiores empreiteiras do País.

Fernando Baiano e o lobista Julio Gerin Camargo são réus no processo como operadores de propina. O primeiro representava o PMDB na Internacional e o segundo atuava em nome de empreiteiras e de dois grupos internacionais envolvidos nesta operação.

Foi Camargo, o lobista, que confessou ter sido procurado ao mesmo tempo por duas gigantes do setor, a japonesa Toyo Engineering - um braço do grupo Mitsui CO -, e a Samsung Heavy Industries Co. Interessadas nos contratos da Internacional - diretoria que era cota do PMDB, no esquema de propinas denunciado pela Lava Jato, que envolvia ainda PT e PP.

A primeira, japonesa, se associaria à Petrobras para o afretamento do equipamento e a Samsung construiria as duas sondas em parceria com esse consórcio Petrobras/Mitsui.

O delator afirma que fechou contrato para recebimento de US$ 53 milhões de "comissionamento" da Samsung, dos quais US$ 30 milhões seriam a parte de Fernando Baiano no negócio. Procuradores da Lava Jato afirmam que o que o réu chama de "comissão" era propina.

Baiano foi quem forneceu "informações privilegiadas" aos participantes. Sem ter cargo na estatal, o operador do PMDB teria conseguido marcar depois de 15 dias uma reunião entre representantes da japonesa Mitsui & Co e da sul-coreana Samsung Heavy Industries Co. com o ex-diretor de Internacional, na sede da Petrobras, no Rio.

A empresa coreana fechou os dois contratos, assinados em 2006 e 2007, para a construção do navio-sonda Petrobras 100000 - no valor de US$ 586 milhões, para uso na África - e o Vitoria 10000 - valor de US$ 616 milhões, para exploração marítima no Golfo do México.

Confissão

Camargo, delator da Lava Jato, confessou ao juiz federal Sérgio Moro - que conduz os processos do caso - na última semana que pagou os valores, para Fernando Baiano, mas negou que ele estivesse nas reuniões em que ele participou na Petrobras com Cerveró e os representantes da Samsung e da Mitsui.

Relatório de auditoria da estatal cita a presença de ambos em encontros ocorridos em 2005 e 2006.

"Os relatórios de visitas indicam a presença de Júlio Gerin de Almeida Camargo em reuniões do então Diretor Nestor Cerveró e com a Mitsui e Samsung. Evidencia-se ainda que ao menos uma reunião contou com a presença de Nestor Cerveró, Fernando Antônio Falcão Soares e Júlio
Camargo", informa relatório da Petrobras.

Outro registro é do dia 10 de junho de 2005. "Estiveram reunidos os senhores Nestor Cerveró, Fernando Antônio Falcão Soares (Iderbras) e Júlio Camargo (Mitsui). Na agenda do Diretor, para a data, havia o registro de reunião com representação da Mitsui para tratar, entre outros assuntos, de aliança entre a Petrobras e Mitsui fora do Brasil, mas o registro de entrada de alguns dos visitantes não foi encontrado."

O documento cita ainda que no dia 13 de abril de 2006, "data de aprovação pela Diretoria Executiva da construção do navio-sonda", Cerveró recebeu as visitas de Fernando Soares das 10h às 16hs,
aproximadamente".

O levantamento da auditoria considerou os relatórios de visita do período de janeiro de 2004 a dezembro de 2009 com a frequência de entradas de representantes brasileiros acompanhando comitivas de empresas estrangeiras em reuniões na Diretoria da Área Internacional.

Documento da Petrobras, de caráter administrativo, recomenda ao seu final que a estatal adote "medidas visando o esclarecimento e a recuperação dos valores indevidos contidos nos contratos de construção do Petrobras 10000 e Vitoria 10000 com a Samsung".

Segundo a auditoria, o preço acertado para a construção do Petrobras 10000 foi superestimado em US$ 11,9 milhões. No contrato de construção do Vitoria 10000, também com a Samsung, houve a introdução de cláusula de variação cambial que causou um impacto de US$ 11,4 milhões. A
auditoria aponta ainda que a demora nas negociações para a vinda do Vitoria 10000 para operar no Brasil, gerando um custo "de aproximadamente US$ 126 milhões".

O documento da Petrobras foi anexado ao processo da Lava Jato, em fase final, em que Cerveró, Fernando Baiano e Camargo são acusados por corrupção e lavagem de dinheiro.

Cerveró e Fernando Baiano estão presos em Curitiba. Eles negam envolvimento nos esquemas.