O presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), afirmou nesta terça-feira, 27, que considera "produtivo" o fato do PT ter solicitado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e ao Ministério Público Eleitoral que abram investigação por supostas irregularidades nas contas de campanha à Presidência do senador tucano. "Eu acho que é muito produtivo que o PT possa se aprofundar na análise das nossas contas, porque vai ser pedagógico", afirmou ao deixar o TSE, onde veio cumprimentar a ministra Maria Thereza de Assis Moura, que tomou posse hoje no cargo de Corregedora-Geral da Justiça Eleitoral.

Segundo Aécio, os petistas poderão "aprender" uma forma correta de prestar contas. "Eles vão aprender como se faz uma campanha correta, transparente, para que não passem mais pelo constrangimento que estão passando hoje de ter as contas da presidente investigadas pelo Tribunal Superior Eleitoral", disse.

O PT protocolou no TSE um pedido de investigação no qual aponta irregularidades nas prestações de contas da campanha de Aécio. O documento afirma que houve a substituição de mais de 2 mil recibos de doações eleitorais, referentes a quase 80% dos lançamentos declarados pelo tucano, além de repasses em dinheiro e contribuições de empresas investigadas pela Operação Lava Jato. Os advogados do PT pedem nova auditoria nas contas de Aécio, a exemplo do que foi pedido pelo ministro Gilmar Mendes em relação às contas de Dilma Rousseff, e eventual rejeição da prestação feita pelo tucano.

O tucano reforçou que a defesa do PSDB foi expressa em nota divulgada à imprensa hoje. "A petição apresentada ao TSE pelo Partido dos Trabalhadores não aponta uma única ilegalidade na prestação de contas do candidato Aécio Neves. Pelo contrário, as questões levantadas não se sustentam, tratando-se apenas de uma tentativa de confundir a opinião pública e tirar o foco das gravíssimas suspeições que recaem hoje sobre a campanha da presidente Dilma Rousseff e o PT", diz um trecho do texto.

A nota ainda esclarece alguns pontos levantados pelos advogados petistas e diz que houve "um erro formal" na substituição de recibos eleitorais. "Saliente-se que a falha ocorrida não gerou qualquer modificação de valores contábeis, não tendo havido, portanto, nenhuma alteração nos valores de receitas ou de despesas nas contas do Comitê Financeiro ou do candidato", afirma o PSDB. "Os recibos foram substituídos para que a cadeia de doações originárias fosse devidamente identificada, garantindo, assim, absoluta transparência e sanando, de forma inquestionável e por iniciativa do próprio partido, os equívocos cometidos".

Segundo o PSDB, Aécio Neves reafirma sua confiança no Poder Judiciário, "que saberá julgar não apenas suas contas, como também outras demandas relevantes que ainda pendem de julgamento perante o Tribunal Superior Eleitoral". "Ao contrário da campanha de Dilma Rousseff - que teve ação recentemente conhecida pelo TSE apontando a existência em tese de possível abuso de poder por parte da presidente, e inclusive no que se refere ao uso de recursos oriundos de corrupção - a campanha Aécio Neves respeitou em todos os momentos a legislação vigente no País."