A prefeitura de Itaú de Minas, no Sul do estado, teria ajudado uma moradora a pagar uma plástica de aumento de glúteos. Uma nota de empenho aponta que a beneficiada recebeu R$ 2,9 mil da Secretaria de Saúde para bancar o procedimento estético. Segundo moradores da cidade, a beneficiada seria uma pessoa próxima ao ex-prefeito Francisco Brito. Um morador garante que ela teria recursos próprios para realizar a cirurgia.

O repasse foi feito em dezembro de 2012, na administração do prefeito Jorge Lopes de Morais (PSDB), que já deixou o cargo.

O “retoque” no derrière foi realizado em novembro do ano passado em uma renomada clínica especializada em aumento de glúteos, localizada em Ribeirão Preto, São Paulo. Dentre as clientes da clínica está a apresentadora de televisão Ana Maria Braga, que em 2005 ajudou a popularizar a cirurgia.

A plástica teria custado R$ 9,7 mil, segundo atestado assinado pelo próprio médico responsável, Raul Gonzalez, e apresentado à prefeitura como “comprovante de prestação de serviço”, segundo consta na ordem de pagamento.

Ainda de acordo com o médico, ela realizou um procedimento de “enxertia de tecido”, quando se retira parte de gordura da barriga, por exemplo, para colocar no glúteo.

A documentação já está de posse da promotoria de Patrimônio Público que está avaliando o caso. A polêmica revoltou os moradores da cidade.


Cheque

O Hoje em Dia obteve a lista com os gastos da secretaria de Saúde naquele mês e a nota de empenho. O documento é justificado apenas como “ajuda financeira para tratamento de saúde de paciente deste município”.

O cheque foi liberado e depositado na conta da paciente no dia 6 de dezembro de 2012, duas semanas depois da realização do procedimento, quando ela ainda se encontrava em recuperação.

A despesa foi assinada pela secretária de Saúde, Elda Teixeira Pereira, segundo documento de ordenação de despesa. A beneficiária também assina.


Instabilidade
 
A denúncia feita pelos moradores aumenta o clima de instabilidade política na cidade. O motivo é o pedido de cassação do mandato do prefeito Norival Lima (DEM) por captação ilícita de sufrágio. Ele e os ex-prefeitos Francisco Brito e Jorge Lopes, que estão envoltos na nova polêmica, fazem parte do grupo político que está no poder há 16 anos.

Norival chegou a ser cassado em 2002 pelo mesmo motivo e, durante investigações esse ano, aliados foram pegos em escutas supostamente comprando votos. A Justiça ainda não deu a sentença.
 
Leia mais na Edição Digital.