Uma nova apuração dos votos dos jurados de cinco categorias do Prêmio Jabuti, realizada nessa quarta-feira (22), na Câmara Brasileira do Livro depois que a comissão organizadora voltou atrás em sua decisão de dar a nota mínima aos livros que não foram votados pelos responsáveis, alterou o resultado de duas categorias.

O livro Maquiagem (Luste), que concorria em Capa, tinha ficado em quarto lugar na primeira apuração. Um dos jurados não tinha votado nesta obra, que acabou ganhando 8 da comissão julgadora. Agora, a obra subiu para a terceira posição e Luciana Molisani, Marcos Costa e Paschoal Rodriguez ganharão a estatueta na festa de 18 de novembro. Quem saiu da lista final foi Murphy (Cosac Naify), com capa de Paulo André Chagas.

Já em Artes e Fotografia, Cenografia Brasileira: Notas de um Cenógrafo (Sesc - SP), de José Carlos Serroni, que não aparecia entre os três primeiros colocados, acabou ficando com o primeiro lugar. Walter Zanini: Escrituras Críticas (Annablume), com organização de Cristina Freire, caiu para a segunda posição e Theatro da Paz (Secretaria da Cultura do Pará), organizado por Paulo Chaves Fernandes e Rosário Lima, teve nova chance e ficou em terceiro. Marcelo Grassmann 1942-1945 (Edusp), de Mayra Laudanna e Leon Kossovitch, e Norberto Nicola: Trama Ativa (Imprensa Oficial), organizado por Denise Mattar, que tinham conquistado o segundo e o terceiro lugar respectivamente, ficaram de fora.

Nas categorias Infantil, Economia, Administração e Negócios e Teoria e Crítica Literária os resultados foram mantidos.