A Fiat acaba de lançar a picape Toro, primeiro utilitário de porte médio da marca italiana, desenvolvida numa ação conjunta com a parceira Chrysler. A caminhonete chega repleta de inovações que, segundo seus engenheiros, são frutos de uma desconstrução do modelo convencional de fabricação de picapes para uma nova proposta para o segmento.

A Toro chega com cinco versões e preços, partindo R$ 76.500 na versão Freedom 1.8 (bi-combustível), e chegando a até R$ 116.500 na versão topo de linha Volcano, equipada com motor turbodiesel 2.0, tração nas quatro rodas e transmissão de nove velocidades.

De acordo com o diretor de Engenharia de Produto, Carlos Eugênio Dutra, o mercado de picapes médias mudou nos últimos anos, o que permitiu que a marca ocupasse um nicho que deixou de existir. “As picapes médias que chegaram nos anos 1990 ganharam volume e hoje estão praticamente do tamanho das antigas full size. Isto nos deu espaço para desenvolver um carro de dimensões compactas, mas com capacidade de carga elevada e dirigibilidade de um automóvel”, explica o executivo.

A proposta da Toro é ser um veículo versátil, que oferece o conforto de um carro de passeio, o estilo arrojado de um utilitário-esportivo (SUV) e funcionalidades de uma picape convencional. Para isso, o modelo recorre a estrutura monobloco, como de um automóvel de passeio, e suspensão independente multi-link, no lugar do eixo rígido e feixe de molas, padrão nas picapes médias e grandes.

O presidente para a América Latina da FCA (Fiat Chrysler Automobiles), Stefan Ketter, afirmou que, agora, a prioridade do grupo no Brasil será a unidade de Betim. “Depois do investimento para erguer a planta de Pernambuco, chegou a vez de Betim. É a nossa maior fábrica no mundo, uma das maiores de toda a indústria, e de enorme importância. Isso não vai mudar”, afirmou o executivo.

Confira todos os detalhes da Toro e como ela anda na edição do Auto Papo de sábado.