Os servidores da educação infantil de Belo Horizonte, que estavam em greve há 52 dias, decidiram na tarde desta quinta-feira (14) por retornar às atividades. A decisão foi tomada em uma assembleia da categoria um dia após reunião dos representantes do movimento com o prefeito Alexandre Kalil (PHS).

De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Pública Municipal de Belo Horizonte (Sind-REDE), o Executivo propôs uma progressão de 78% da carreira do professores até o final de 2020. De imediato, será encaminhado um projeto de lei à Câmara Municipal, no qual todos os servidores da educação infantil ascenderão ao nível 5 - o mesmo do ensino fundamental.

A proposta também incluiu um aumento do número de níveis na tabela salarial, que passará dos atuais 15 para 22, dois a menos que os dos demais professores.

Com o fim da greve, as aulas serão retomadas em todas as Unidades Municipais de Educação Infantil (Umeis) já nesta sexta-feira. Agora, começa o processo de negociação entre movimento e prefeituea para definir os detalhes de reposição das aulas.

As atividades em cerca de 70% das Umeis ficaram paralisadas durante 52 dias, a maior suspensão já feita pela categoria, que reivindicava equiparação de carreira com os professores municipais. Procurada, a Secretaria Municipal de Educação (Smed) ainda não se manifestou oficialmente sobre os detalhes do fim da greve.

No Twitter, Kalil comentou o fim da greve. "Vitória da categoria. Sofremos todos. Agora, bola pra frente", postou.


Leia mais:
Prefeitura de Belo Horizonte apresenta nova proposta a professores de Umeis
Professores da educação infantil suspendem greve por um dia para ouvir proposta da prefeitura
Kalil promete não cortar salário de professor que encerrar greve até sexta-feira
Kalil reafirma que só volta a negociar com professores quando greve for suspensa