Integrantes do Partido dos Trabalhadores, sindicalistas e membros de movimentos sociais lançaram na manhã deste sábado, na Praça Sete, Centro de Belo Horizonte, o Comitê Popular em Defesa da Democracia e do Direito de Lula ser candidato à Presidência da República. 

Segundo o deputado federal Reginaldo Lopes, um dos organizadores do movimento nacional em defesa de Lula, a intenção, desde o início do mês, é criar ações semelhantes em diversas cidades do país pelo menos até o dia 24 deste mês. Na data, será julgado, no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), em Porto Alegre (RS), recurso do ex-presidente contra a condenação em primeira instância, a 9 anos, em regime fechado, por recebimento de propina da empreiteira OAS em forma de um apartamento no Guarujá, litoral paulista.

"Entendemos que o juízes do TRF-4 têm dois caminhos: um é o de entrar pela porta da frente da história, inocentando uma pessoa que não cometeu qualquer crime; o outro é de entrar pela porta dos fundos, se confirmar as sentença de Curitiba", disse Lopes, para quem a intenção de quem defende a confirmação da condenação de Lula é apenas tentar impedir sua participação na campanha presidencial.

Para o dia 24, defensores de Lula de todo o país prometem fazer uma caravana a Porto Alegre, além de manifestações em outras cidades do interior e capitais brasileiras. A programação inclui protestos e uma vigília durante todo o julgamento, que ficará a cargo de três juízes da 8ª Turma do TRF-4.