A Páscoa é uma ótima oportunidade para os adeptos do "faça você mesmo" que curtem uma aventura gastronômica e também para aqueles que querem aproveitar a data para incrementar a renda com a venda de ovos. “Os ovos de Páscoa tradicionais oferecidos nas lojas são muito caros e o produto artesanal tem sido muito apreciado e procurado", garante a especialista em culinária Vera Marcato, que desde janeiro tem oferecido cursos para turmas lotadas de alunos ávidos por aprender como fazer o próprio ovo de Páscoa em casa.

O primeiro passo antes de colocar a mão na massa, ou mellhor, no chocolate, é  verificar as condições da cozinha e do ambiente. “Se a casa não tem ar-condicionado, tem que deixar para preparar o chocolate à noite. A ventilação da cozinha é importante para a qualidade do produto”, explica Camilla Resende, da empresa CupFit, especialista em ovos fit e low carb.

Vale lembrar que a cozinha onde os ovos serão preparados deve ser a mais limpa possível e todos os utensílios usados devem ser destinados a essa única função. Também deve-se tomar cuidado com uso de perfume e qualquer coisa que tenha cheiro forte, pois isso passa para o chocolate.

Utensílios e custos

Segundo Vera, a forma prática de silicone (vendida em lojas especializadas, a partir de R$ 8) é ideal para a feitura dos ovos, especialmente para quem está começando, pois o utensílio evita que haja desperdício. Há uma marca no produto que indica a quantidade certa de chocolate a ser usada. A matéria-prima de qualidade é que vai garantir o sabor do produto.

A cobertura fracionada (chocolate hidrogenado) tem custo de R$ 15 a R$ 20 o quilo, que é suficiente para fazer 11 cascas de 250 gramas. Já o quilo do chocolate puro (com maior porcentagem de cacau) tem custo de R$ 24 a R$ 32.

 “O segredo em fazer um bom produto está no derretimento. Ele pode acontecer no banho-maria, no micro-ondas ou na derretedeira, mas é muito importante ficar atento à temperatura certa, que está entre 40° e 45°C, no máximo 50°C. Para cada tipo de chocolate, há uma temperatura certa”, ensina Vera.

Para quem vai  utilizar chocolate puro, a melhor forma de trabalhar a temperagem (processo para fazer com que o chocolate atinja a temperatura certa para ir para a forma) é com uma pedra de granito ou mármore. Espalhando o produto na pedra com duas espátulas, é possível atingir o ponto ideal. “Fazendo um derretimento e uma temperagem correta, o produto terá brilho e dureza ideal. Se não fizer direito, o ovo vai ficar sem brilho e amolecer”, afirma Vera.

De acordo com Camilla, também é possível alcançar a temperatura certa do chocolate sem a pedra. Basta saber usar de maneira adequada o termômetro. “Tem gente que não gosta de colocar o chocolate na pedra, acha que faz muita sujeira na cozinha. Então, o termômetro é uma boa solução”.

Com a matéria-prima inserida dentro da forma, basta deixar o ovo por cerca de 20 minutos na geladeira. Após esse tempo, o ovo está no ponto para ser retirado  e embalado.

Versões gourmet

Para os ovos recheados, pode-se usar a cobertura fracionada (hidrogenada) e investir na qualidade dos outros produtos usados. Neste momento, estão em alta os sabores leite Ninho, Nutella, Oreo, frutas vermelhas e paçoca. “Muitas pessoas têm trabalhado com ovos desconstruídos, como ovo no pote e ovo com colher”, aponta Vera. Mas se o foco do produto está no próprio chocolate, quando o ovo é recheado com bombons, aí vale a pena investir no chocolate puro, segundo a especialista.

 

Confira o vídeo em que Camilla Resende mostra como é o preparo de um ovo fit: