Utilitários-esportivos (SUV’s) fazem parte de um desejo de consumo global. No mundo inteiro, jipinhos e jipões encabeçam a preferência do consumidor, que busca mais praticidade e versatilidade por conta da altura livre do solo elevada e também pelo status. Afinal, SUV é carro de bacana e, na sociedade de consumo, orientada pela aparência, ninguém quer ficar por baixo. Mas se todo mundo fica com cara de rico num jipão, como ficam aqueles que são ricos pra valer? A solução é o aristocrático Rolls-Royce Cullinan.

O jipão da marca de maior prestígio no mundo acaba de ser revelado e mantém toda a pompa exigida de um automóvel que ostenta a efígie do Spirit of Ecstasy sob o capô. O Cullinan recebeu o mesmo nome do maior diamante já encontrado no mundo, com 3.106 quilates (aproximadamente 621 gramas). A pedra, que foi fracionada em nove partes, compõe a coleção de jóias da Coroa Britânica e está exposta na Torre de Londres.

O Cullinan de Goodwood é tão pesado quanto o diamante da rainha. São nada menos que 2,7 toneladas distribuídas por 5,34 metros, sendo que 2,29 metros são de distância entre os eixos. É espaço de sobra para o endinheirado que viaja atrás e faz questão de ter conforto de primeira classe, mesmo que seja atravessando um lamaçal ou um terreno cheio de pedregulhos.

Para um jipão tão pesado, nada mais natural que um motor superlativo. O Cullinan adota o conhecido V12 6.75 litros que equipa os demais modelos da marca e entrega generosos 571 cv e 86 mkgf de torque que permitem que o gigante acelere a até 250 km/h (limitados eletronicamente).

Peso de ouro
Muitos fabricantes de luxo adoram os SUV’s para atingir camadas (um pouco menos) abastadas, como fizeram Porsche, Jaguar e até mesmo a Lamborghini aumentar o volume de produção. O Cullinan é tão caro quanto qualquer outro Rolls-Royce e parte de US$ 325 mil (R$ 1,15 milhão, nos EUA), quase US$ 130 mil a mais que o rival Bentley Bentayga. No entanto, o preço pode subir para cifras nababescas, já que a lista de opcionais e itens de personalização vão até onde o dinheiro e a criatividade deixar. 

Um detalhe: o consumo informado pela Rolls-Royce é de 6,6 km/l. Para as proporções do jipão, ele é um lorde bebericando uma tacinha de licor.