O assessor parlamentar Mendherson de Souza Lima, que trabalha no gabinete do senador Zezé Perrella (PMDB) e foi citado na delação da JBS como o homem que recebeu dinheiro, atuou ativamente nos governos do PSDB em Minas Gerais e tem relação com os três senadores mineiros. Mendherson foi preso pela Polícia Federal na manhã desta quinta-feira(18), em Belo Horizonte.

Ele trabalhava na Epamig durante parte do período em que a Controladoria Geral do Estado (CGE) apurou irregularidades na compra de sementes de uma empresa de Zezé Perrella, a Limeira Agropecuária Participações LTDA. 

O prejuízo ao tesouro estadual foi de R$ 18,9 milhões, entre os anos de 2007 e 2011, segundo relatório de auditoria da CGE, divulgado no início deste ano.

Funcionário de carreira da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag), Mendhernson é advogado e trabalhou durante três décadas na pasta, incluindo o período tucano, de 2003 a 2010, com Aécio Neves (PSDB), e de 2011 a 2014, com Antônio Anastasia (PSDB).

De acordo com o portal da Epamig, em 2011, logo no início do mandato, o então governador Antonio Anastasia criou o cargo de vice-presidente da Epamig, que foi ocupado por Mendherson.

Clique aqui e veja o relatório.

Leia mais:
Fachin manda afastar Aécio do Senado e deve votar hoje no STF pedido de prisão
Seis conselheiros do Cruzeiro são alvos de desdobramento da Operação Lava Jato
Bancada do PSDB na câmara se reúne para discutir futuro de Aécio no partido