O senador Aécio Neves, presidente nacional do PSDB, compareceu à sede da Polícia Federal em Brasília para prestar depoimento no inquérito que investiga se o tucano atuou para “maquiar” dados da CPI dos Correios, que investigava denúncias do mensalão, em 2005.

As informações foram divulgadas pela coluna Expresso da revista Época.

Em inquérito que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF), Aécio Neves foi acusado pelo ex-senador Delcídio do Amaral de tentar interferir nos trabalhos da CPI e excluir da apuração dados sobre o caso conhecido como “mensalão tucano”, que ocorreu durante o governo de Eduardo Azeredo em Minas, de 1995 a 1999.
Azeredo foi condenado, em primeira instância, a 20 anos e 10 meses de prisão por peculato e lavagem de dinheiro no escândalo do “mensalão tucano”, e recorre em liberdade.

LavaJato

A acusação sobre Aécio integra delação feita por Delcídio no âmbito da operação “Lava Jato”. De acordo com o ex-senador, em 2005, durante os trabalhos da CPI dos Correios, Aécio, então governador de Minas, teria atrasado o envio de dados do Banco Rural à CPI para poder “apagar dados bancários comprometedores”.

Ainda de acordo com Delcídio, Aécio teria enviado emissários para barrar quebras de sigilo de pessoas e empresas investigadas, entre elas o Rural.

Em nota, a assessoria de imprensa de Aécio Neves disse que “o senador, como previsto, prestou esclarecimentos, demonstrando a absoluta improcedência das citações feitas pelo ex-senador Delcídio”.