A Peugeot até hoje não conseguiu se livrar do estigma de que seus carros são frágeis e de manutenção cara. E não deixa de ser verdade que o passeio à assistência técnica está longe de ser a mais suave da praça e que a malfadada suspensão do 206 deixou uma cicatriz na pele do Leão. Mesmo que o 208 tenha corrigido o problema, o felino ainda está deitado na cama da má fama. 

Já o valor elevado da oficina se explica (mas não se justifica) pela baixa demanda. Afinal, a marca viu sua participação encolher para 1,19%. Daí, com menos carros na praça, a procura por peças de reposição diminui e a economia de escala desaparece.

A solução que a Peugeot encontrou para se manter no mercado foi reduzir o portfólio para cinco modelos de passeio e agregar conteúdos para concorrer em nichos mais qualificados, com tiquete mais alto para compensar o menor volume. O 3008 faz parte desse raciocínio.

Felino mutante
O utilitário-esportivo (SUV) de porte médio chegou ao mercado em junho na faixa dos R$ 140 mil, onde orbitam modelos como Jeep Compass, Hyundai Tucson (o de terceira geração), Mitsubishi Outlander e até mesmo o futuro Chevrolet Equinox. Bem equipado e com motorização eficiente, o 3008 desponta como uma opção interessante para quem anda em busca de um SUV moderninho para rodar no asfalto.

Isso mesmo! O utilitário do leão, assim como a grande maioria dos SUV’s do mercado, é um automóvel urbano que substituiu peruas e monovolumes. O próprio 3008 se enquadra nessa metamorfose de carroceria. 

O resultado é um estilo mais agressivo e esportivo que o do antecessor. As enormes rodas aro 19, as lanternas com três filetes verticais, os detalhes cromados da carroceria e os faróis em LED atraem a atenção de quem cruza o caminho do jipinho. 

Conteúdos
Se as linhas do 3008 chamam atenção, é por dentro que o jipinho dá o ar da graça. O modelo tem construção e acabamento impecáveis, com uso de materiais como couro, alumínio e até mesmo um revestimento em tecido posiciono nos painéis central e das portas, onde mãos e antebraços costumam tocar. 

Ele também é recheado de filetes de LED que iluminam até mesmo a moldura do teto solar panorâmico, que valoriza o ambiente. 

Ainda no painel, o jipinho tem o conceito de quadro de instrumentos elevado para melhorar a leitura, como no 208. No entanto, assim como nos modelos Audi, é totalmente digital e permite configurações variadas. Um senão é ausência do GPS nativo. Segundo a Peugeot, o item foi removido não elevar o preço final, uma vez que o sistema de entretenimento de bordo é compatível com sistemas Apple Car Play e Android Auto.
 

Chamego
Seguindo a mesma filosofia da irmã Citroën, o 3008 também quer conquistar o consumidor pelo afago. Se o C4 Picasso impressiona pelo nível de conforto 3008 conta com um sistema de massageadores que prometem tornar a vida à bordo mais relaxante. 

São oito bolsas e programas diferentes que dão um chamego no motorista e passageiro da frente durante seis minutos. É como se você pudesse levar aquela cadeira do shopping para viajar. Já o cafuné...aí é por sua conta!

Raio-x Peugeot 3008 Griffe 1.6 THP

O que é?
Utilitário-esportivo (SUV) compacto de cinco lugares.

Onde é feito?
Fabricado na unidade de Sochaux, na França.

Quanto custa?
R$ 139.990

Com quem concorre?
O 3008 se posiciona no segundo degrau dos utilitários esportivos que orbitam na faixa de R$ 125 mil e R$ 150 mil. Nessa seara estão modelos como Honda CR-V EXL 4X4 (R$ 148 mil), Hyundai Tucson GLS (R$ 141 mil), Jeep Compass Limited (R$ 132 mil), Kia Sportage EX (R$ 140 mil), Mitisubishi Outlander Comfort 2.0 (R$ 143 mil)

No dia a dia
O 3008 é sem dúvida o automóvel mais qualificado que a marca já vendeu no mercado brasileiro, comparado apenas com o descontinuado 508. Repleto de mimos, o jipinho oferece muito conforto para quatro passageiros e leva um quinto sem muito aperto. A boa qualidade do acabamento, mais montagem e conteúdos fazem dele um concorrente agressivo no segmento de SUV’s de porte intermediário. 

Itens como ar-condicionado digital de duas zonas, com controle na tela central, câmera de ré em 360º, banco do motorista elétrico e com massageador (inclusive para o passageiro), teto solar panorâmico são bons argumentos de compra e nem sempre disponíveis aos seus concorrentes diretos.

Motor e transmissão
E como se trata de um veículo feito para o asfalto, o jipinho impressiona pela eficiência também pela performance. O motor turbo THP 1.6 de 165 cv e 24,5 mkgf é o mesmo que equipava seu antecessor desde 2009, desenvolvido em conjunto com a BMW e que equipa praticamente boa parte da gama Peugeot e Citroën. Mas nem por isso é ultrapassado. Pelo contrário, a unidade garante ao modelo excelente performance tanto na cidade quanto na estrada. 

A transmissão automática de seis marchas também é velha conhecida nos carros das duas marcas francesas. O destaque fica por conta da alavanca de seleção eletrônica, que dispensa acionamento mecânico. Com o veículo parado, basta desligá-lo que automaticamente a transmissão entra em parking e o freio de estacionamento é ativado.

Como bebe?
O 3008 é importado da França e por essa razão seu motor não foi convertido para uso de álcool e gasolina. Seu consumo urbano foi na ordem de 10,5 km/l.

Suspensão e freios
Um dos pontos altos da geração passada do 3008 era sua suspensão, que na traseira contava com um sistema que incluía um amortecedor central para reduzir a “rolagem” da carroceria. Na atual geração, ele utiliza sistema independente McPherson na frente e eixo de torção atrás. Não faz feio, mas não encoraja a brincar nas curvas mais acentuadas. Ainda sim conta com auxílio dos controles de estabilidade (ESP) e tração.

Já os freios utilizam discos ventilados na frente e sólidos na traseira e contam com assistente de partida em rampa (Hill Holder)

Pontos positivos
Estilo
Construção e acabamento
Consumo

Ponto negativo
Suspensão traseira