Mês após mês, o mercado de automóveis vem declinando e fevereiro foi o pior período dos últimos 11 anos. De acordo com a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), no mês passado foram emplacados 132.405 automóveis de passeio e comerciais leves, número que só não foi pior que o fevereiro de 2006, quando foram anotados apenas 121 mil unidades. E nem adianta dizer que a culpa foi do Carnaval, uma vez que a Quarta-feira de Cinzas caiu no dia primeiro de março.

Apesar de o ano ainda estar no começo, o acumulado dos dois primeiros meses já representa uma queda de 6,8% sobre 2016 (ano marcado pela pior performance de vendas desde 2006). O mês de janeiro já tinha retrocedido aos patamares de 2007 e fevereiro foi ainda pior. 

Ou seja, se no ano passado já foi ruim, a previsão é que 2017 seja ainda mais duro para o mercado de automóveis. Afinal, a principal desculpa para o desempenho fraco do setor estava vinculado à estagnação econômica do país devido ao imbróglio político envolvendo a então presidente da república, Dilma Roussef. E, em tese, com seu impeachment, a economia voltaria a crescer, com o argumento de que a estabilização política voltaria a atrair investimentos. 

No entanto, Michel Temer entrará em seu sétimo mês no comando do país, e até agora, pelo menos no setor automotivo, nada melhorou. Pelo contrário, o mercado só tem definhado devido à perda de poder de compra da população, restrições de crédito e falta de confiança em comprometer o orçamento familiar em contratos de médio e longo prazo. 

O segmento de caminhões e ônibus anotou desempenho ainda pior, com uma queda de 30% sobre os dois primeiros meses de 2016. Desde o início do ano, foram emplacados apenas 5.551 caminhões, enquanto que nos dois primeiros meses do ano passado o volume registrado foi de 8 mil unidades. E como esse setor é considerado o termômetro da economia, uma vez que o transporte de carga no Brasil é feito por caminhões, a queda de licenciamentos é um indicador negativo.

Líderes
Entre os líderes de mercado, a General Motors segue na frente com 19% de participação, sendo seguida pela Fiat, que acumula 14% do mercado. Volkswagen e Ford se posicionam nas terceira e quarta posições, tendo Hyundai na quinta posição. Já entre os modelos mais vendidos o Chevrolet Onix segue inabalável, com 11.980 mil emplacamentos. Na vice-liderança, o Hyndai HB20 vendeu 6.521 carros, enquanto o Ford Ka anotou outras 5.765 unidades.