A Câmara Municipal de Belo Horizonte (CMBH) informou na noite desta segunda-feira (23), que o vereador afastado Wellington Magalhães (PSDC) comunicou que não vai prestar depoimento na comissão processante que o investiga por quebra de decoro parlamentar. A oitiva estava prevista para esta terça-feira (24), às 9h. 

No documento enviado pelo parlamentar afastado à Câmara, ele alega que a denúncia ainda é analisada pela Justiça. "Não se pode ignorar os efeitos prejudiciais que essa acusação irradia sobre minha vida profissional e particular. No entanto, todos os fatos noticiados nessa denúncia ainda serão analisados pelo Poder Judiciário, sob o crivo da imparcialidade que se espera desse órgão público. Ocorre que as duas ações judiciais recentemente ajuizadas pelo Ministério Público do Estado de Minas Gerais - penal e improbidade adminstrativa - ainda estão em fases iniciais", diz o comunicado. 

Outra justificativa é que o depoimento possa comprometer a investigação. “Até o presente momento não prestei declarações às Justiça comum e receio que eventual participação, ao menos, presencial perante essa Comissão Processante possa comprometer o curso dos trabalhos", justificou Magalhães.

Ainda de acordo com a assessoria da CMBH, mesmo com a ausência do vereador afastado, a reunião da comissão processante está mantida para para a análise de documentos.

A fase das oitivas de testemunhas já foi encerrada e a comissão tem até o dia 8 de agosto para votar o relatório sobre a indicação ou não da cassação do mandato do parlamentar. A decisão final será do plenário da Câmara, que tem até o dia 13 de agosto para realizar a votação.

Wellington Magalhães é suspeito de liderar uma organização criminosa que teria fraudado licitações de publicidade na Câmara Municipal de Belo Horizonte. Ele chegou a ser preso, mas atualmente responde ao processo com o uso de tornozeleira eletrônica. Segundo o Ministério Público do Estado (MPMG), as fraudes causaram prejuízo de cerca de R$ 30 milhões aos cofres públicos.

Leia mais:
Em dia novos depoimentos, defesa de Wellington Magalhães tenta impedir divulgação de reuniões
Comissão que analisa denúncia de corrupção contra Wellington Magalhães ouve três testemunhas
Câmara de BH aguarda notificação da Justiça para pagar cerca de R$ 17 mil a Wellington Magalhães
Justiça determina que Wellington Magalhães volte a receber o salário de vereador
Ex-assessor de Wellington Magalhães é contratado pelo gabinete da irmã do vereador